Leishmaniose, como previnir seu bichinho dessa doença

leishmaniose-como-previnir-seu-bichinho-dessa-doenca

Você já ouvir falar da leishmaniose? Esse nome complicado é uma doença perigosa transmitida por um mosquito que afeta os animais, principalmente os cães, e também nós, humanos. A leishmaniose não tem cura e pode levar até a morte, mas existem vários meios de prevenir o seu bichinho.

Nesse post, vamos explicar melhor sobre ela, como é transmitida, os seus sintomas e as formas de proteger os pets desse mal. Confira!

O que é a leishmaniose?

A leishmaniose visceral canina é causada pelo parasita do gênero Leishmania, transmitida pela picada da fêmea do mosquito-palha. Esse mesmo mosquito transmite a doença para os humanos após ter picado um animal infectado. É importante ressaltar que o contágio se dá apenas pelo mosquito e não pelo contato direto entre o cachorro e seu dono.

O mosquito-palha prefere locais abertos úmidos e quentes, por isso essa doença é mais comum na região nordeste. Ele não se procria em água parada como o Aedes aegypit, mas em superfícies úmidas, com sombra e matéria orgânica, como restos de lixo e fezes de animais. Por isso, é extremamente importante manter sempre limpo os quintais, jardins e áreas externas para evitar a contaminação.

Principais sintomas

Assim como qualquer doença, procure observar o comportamento do seu cãozinho. Se notar algo fora do normal, procure um veterinário. Alguns dos principais sintomas da leishmaniose manifestados nos cachorros são:

– Pelo enfraquecido;
– Perda de peso;
– Perda de apetite;
– Febre;
– Feridas no focinho;
– Atrofia muscular;
– Crescimento exagerado das unhas em formato de garras;
– Lesões na pele.

A grande quantidade de sintomas é porque essa infecção ataca diretamente o sistema imunológico do animal e se multiplica no organismo, podendo atingir diferentes órgãos, como o fígado e baço. Alguns em específico podem indicar a presença da leishmaniose. Problemas oculares e feridas que nunca saram podem ser sinais de alerta.

Ainda assim, o animal pode ser portador da doença e não apresentar nenhum sintoma por um bom tempo. Somente exames feitos pelo veterinário vão confirmar se os pets estão infectados.

Como combater a leishmaniose?

A prevenção é o melhor remédio. Felizmente, existe uma vacina que protege nossos amiguinhos. Ela deve ser dada em filhotes, a partir dos quatro meses de idade, divididas em três doses, com intervalo de 21 dias entre elas, e reforçadas anualmente.

Outra forma de prevenir é impedir a proliferação do mosquito. A leishmaniose é mais comum em locais com saneamento básico precário ou em criações de animais com falta de higiene, como chiqueiros e galinheiros.

Por esse motivo, não deixe as fezes dos animais se acumularem, recolha o lixo e mantenha o local onde seu cachorro vive sempre limpo. Coloque telas de proteção em portas e janelas da casa, use repelentes contra mosquitos e evite andar com os pets à noite, horário de maior incidência dos mosquitos.

Outra dica é usar uma coleira antiparasitas. Ela libera na pele do cachorro um repelente à base de deltametrina, que mata o mosquito-palha. Essa substância não tem cheiro e funciona mesmo com o pelo molhado.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Recent posts

Featured articles